Progesterona na prevenção do parto prematuro

Progesterona
Progesterona tem sido a medicação de primeira linha na prevenção do parto prematuro.

No último post sobre prematuridade falamos a respeito do parto prematuro e sobre as suas conseqüências para o bebê e para a mãe. Globalmente as complicações de um parto prematuro são as principais causas de mortalidade infantil e por conta disso a medicina trabalha tanto a fim de tentar prever e evitar que um bebê nasça antes de 34 semanas. Assim, como prometido, hoje iremos falar de um dos métodos mais utilizados pelos médicos para tentar prevenir um parto pré termo, que é o uso da progesterona.

Em primeiro lugar, por que a progesterona? Esse hormônio promove um relaxamento da musculatura de diversos órgãos incluindo o útero e ela ajuda a reduzir a ação da ocitocina, que é justamente o hormônio que causa as contrações uterinas. Dessa forma, a progesterona é uma das estratégias para prevenir o parto pré termo em mulheres com o colo uterino curto (menos de 25 mm) ou naquelas que tem um risco aumentado de ter um parto antes da hora, como por exemplo, as que tem história de parto prematuro em gestação anterior.

A progesterona pode ser administrada por duas vias, a vaginal ou intramuscular, sendo a primeira a mais utilizada por ter mais evidências científicas a seu favor. O uso oral provoca muitos sintomas gástricos. Esse medicamento deve ser iniciado em torno de 24 semanas, ou assim que identificado um colo curto no Ultrassom Morfológico de 2º Trimestre, e ser mantido até 36 semanas. Um detalhe é que as aplicações endovaginais devem ser feitas a noite, pois é importante que a paciente fique mais deitada depois que aplicar a progesterona. A dose mínima recomendada é de 200mg por dia. 

Tanto gestações únicas como gestações gemelares se beneficiam do uso da progesterona quando há risco aumentado de parto pré-termo!

De acordo com diversos estudos, a progesterona se mostrou eficaz na prevenção do parto pré termo em mulheres com colo cervical curto, apresentando uma redução importante do risco de nascimento antes de 35 semanas, bem como a redução da necessidade de o bebê ir para UTI neonatal após o nascimento, ou seja, reduziu também a morbidade neonatal. Além disso, foi demonstrado que a progesterona não causa qualquer efeito deletério no neurodesenvolvimento do bebê e nem na saúde materna.

Por isso, a progesterona é sim um método confiável e seguro para fazer a prevenção do parto pré termo. Contudo, não é a única opção para essa tentar evitar esse problema. No próximo post  falaremos um pouco a respeito da cerclagem a fim de que você entenda quando esse método pode ser utilizado e como ele é realizado. 

Por Isabela Safar Paim

Referências Bibliográficas:

Romero R, Nicolaides KH, Conde-Agudelo A, et al. Vaginal progesterone decreases preterm birth ≤ 34 weeks of gestation in women with a singleton pregnancy and a short cervix: an updated meta-analysis including data from the OPPTIMUM study. Ultrasound Obstet Gynecol. 2016;48(3):308-317. doi:10.1002/uog.15953

Romero R, Conde-Agudelo A, El-Refaie W, et al. Vaginal progesterone decreases preterm birth and neonatal morbidity and mortality in women with a twin gestation and a short cervix: an updated meta-analysis of individual patient data. Ultrasound Obstet Gynecol. 2017;49(3):303-314. doi:10.1002/uog.17397

Society for Maternal-Fetal Medicine (SMFM) Publications Committee. Electronic address: pubs@smfm.org. SMFM Statement: Use of 17-alpha hydroxyprogesterone caproate for prevention of recurrent preterm birth. Am J Obstet Gynecol. 2020;223(1):B16-B18. doi:10.1016/j.ajog.2020.04.001

Sobre a autora:

Desenvolvido com ♥ por Agência Wabi